Pessoas feridas, ferem. Pessoas saradas, amam e saram

Pessoas que têm muitas feridas emocionais irão, mesmo sem intenção, ferir outras que passarem pela sua vida

As maiores feridas da alma são adquiridas na infância a partir das relações com seus cuidadores. Geralmente, essas feridas são geradas em quem passou por abandonos (emocionais ou físicos), negligências, (emocionais ou físicas) abusos (emocionais ou físicos), cobranças, críticas e pressões constantes ou que cresceram em um ambiente familiar tóxico.

Essa criança torna-se um adulto machucado ou emocionalmente doente emocionalmente (pode desenvolver um transtorno mental de ansiedade, humor, alimentar, psicótico ou de personalidade – DSM-5). Como esse adulto não pôde desenvolver o seu autoconceito e as suas emoções de forma saudável, o seu amor-próprio e a sua disponibilidade para amar ficam comprometidos. Além disto, a dor constante da sua alma fará com que ele tente amenizá-la machucando outros.

Deixe-me dar um exemplo simples... Pense naquele momento que você chuta a quina da mesa com o seu dedo mindinho! A dor é tão intensa que dá vontade de xingar ou chutar a mesa de volta. Quem nunca? Essa reação instintiva é uma tentativa do organismo de extravasar e amenizar a dor.

Quanto sentimos uma dor na alma, ainda que ela seja invisível ou inconsciente, ela vem à tona quando nos relacionamos com alguém. E nós tentamos aliviá-la ou amenizá-la “jogando” essa dor no outro e machucando-o, mesmo que de forma inconsciente.

Muita gente pensa, ao ler sobre abandonos, negligências ou abusos, que não sofreu nada disto e que os seus pais e a sua infância foram maravilhosos. Cuidado com esta defesa que o seu ego cria para não ter que lidar com as suas feridas emocionais! Costumo dizer que ninguém sai ileso dos ambientes familiares. A família é a nossa maior fonte de amor e de neurose ao mesmo tempo.

Se você tem dificuldades nos seus relacionamentos adultos, medos, ansiedade, raiva constante, oscilações de humor, dificuldade de criar intimidade/conexão ou de se mostrar vulnerável, provavelmente, isso resulta da sua vivência no ambiente familiar.

Pessoas com o emocional ferido tendem a ferir os outros emocionalmente ou fisicamente. Pessoas com o emocional destruído (histórias de infância mais graves), tendem a destruir os outros nas relações. Geralmente esse é um processo inconsciente, porém muito real e pode ser reconhecido por meio da qualidade dos seus relacionamentos.

Pessoas saudáveis emocionalmente criam relacionamentos saudáveis. Saudável é alguém que tenha um auto conceito equilibrado: nem muito alto, como aqueles que se apresentam como especiais (narcisistas); e nem muito baixo, como aqueles que se veem sem valor e aceitam ser tratados de qualquer maneira pelo outro (carentes e dependentes emocionais - esses são os “mendigos emocionais”).

Pessoas saudáveis são capazes de dar e receber amor, respeito e cuidado. Por essa razão, são capazes de construir um relacionamento com equilíbrio (dar/receber) e conexão emocional verdadeira. Já as pessoas feridas não conseguem confiar em ninguém e criam defesas emocionais para se protegerem. Essas defesas podem ser protetivas ou agressivas.

Alguém que se protege não abre a sua intimidade, não se fragiliza diante do outro e por isso, não cria uma conexão emocional verdadeira. É como alguém que veste uma armadura de ferro e tenta abraçar o outro.

Pessoas agressivas, de certa maneira, também estão tentando se proteger. Porém, usam a estratégia de machucar o outro por meio da desvalorização, desrespeito (emocional e físico) para se sentirem melhores ou mais “fortes” que o outro.

Se você se enxerga em um desses papéis, busque compreender a sua história de vida. Assim, você poderá ressignificar muitos conceitos e padrões adquiridos e se tornar capaz de construir relações saudáveis e felizes.


“Se você não curar as sua feridas, você irá sangrar em alguém e machucá-lo(a) para tentar aliviar a sua dor”


147 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo